quinta-feira, 29 de julho de 2010

PÔR-DO-SOL NA RIA (2)


Quintas do Norte Acrílico sobre Tela 40x60cm

Neste quadro, ao contrário do que acontece na vida, comecei pelo céu. As cores utilizadas servem para dar os reflexos que as águas calmas da ria recebem do alto.
Só depois de estar satisfeito com todo o espelho de água, comecei a espetar as estacas no terreno lodoso. Para melhor destacar a sua elegância, utilizei diversas camadas de tinta bem espessa.
Eliminei uma outra embarcação que estava no desenho inicial, bem como todos os pormenores que poderiam distrair a atenção do essencial: sensação de paz e tranquilidade.
Para reforço da harmonia da obra, sem beliscar a sua força, o azul do céu é o mesmo do barco e da água, e na linha do horizonte está o mesmo conjunto contrastante do verde e azul que lhe dão cor.
Parece-me uma obra refrescante para estes dias de calor…

28 comentários:

jorge disse...

Este es una de tus cuadros que mas me trasmite.

Seguramente sera por la ppreninencia de ese azul Tapadinhas que tanto me atrae.

Pero tienes razón hasta el barro tiene elegancia.

Y produce esa calma tan dificil de explicar, esa que hace que nos sentemos en una terraza en el paseo maritimo y nos quedemos extasiados mirando el horizonte, alli donde el mar parece acabar.

ETERNA APAIXONADA disse...

António

Ausente,involuntariamente, na blogosfera há algum tempo, hoje consegui acesso para navegar nos blogs amigos.
E ao chegar aqui, percebo o quanto me faz bem, e sorrio feliz!
Um dos momentos que precisava "respirar"... A beleza do pôr-do-sol pelas mãos de um pintor poeta!
Nesta minha manhã gelada do inverno tropical, meu coração sai aquecido... Obrigada por partilhar tão lindo momento!
Não moro em região marinha, quase não vou ao mar, nem rios... E quanto me faz falta isso... Talvez o motivo que esse tipo de pintura seja meu favorito, ao lado das flores...
Tenha um ótimo fim de semana!
Bom verão!!!
Beijos
Helô Spitali

Anne M. Moor disse...

An - tó - nio!!!!!

Sentada no barco a olhar ao lonnnnnge o horizonte no início de um dia calmo sinto-me em paz comigo mesma e com a tranquilidade de saber que 'dreams come true'.

Obrigada! Tela lindésima!

Beijos tranquilos :-)
Anne

Regina Rozenbaum disse...

Antônio, artista, amado!
Como me encanto ao ver um pôr do sol no horizonte de um oceano. As cores se mesclando...céu e mar...Mais um dia vivido, menos um dia de vida! Amanhã é outro dia, desfrutemos então da noite que ainda faz parte desse dia. Gostei imenso da tela, e me imaginei sentada nesse barco degustando essa beleza que a mãe natureza nos brinda, gratuitamente!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Quase Blog da Li disse...

Excelente a escolha de cores que você
utilizou. E a composição sem dúvida esta clara, elegante. Gostei muito!

E sua descrição no perfil esta incrível!

Ótimas pinturas,
Saudações,
li

A.Tapadinhas disse...

Jorge: O que vale é a tua capacidade de gostar...

Há uma tonalidade de azul que Yves Klein patenteou, como IKB (International Klein Blue)... Sempre que falas do azul Tapadinhas, passa-me pela cabeça fazer o mesmo com este azul...

Achas que podemos patentear esse azul da linha do horizonte, lá onde o mar acaba, e os sonhos começam?

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

ETERNA APAIXONADA: Que bom ser visitado por alguém feliz!

Sabes, a felicidade é contagiosa!

Sinto pena quando penso que alguém não tem o mar próximo! Para mim, que nasci e vivi entre o estuário do Tejo e do Sado, é quase impensável poder-se viver sem o marulhar das ondas, o grito das gaivotas...

Tenha uma óptima semana!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Anne: A linha do horizonte separa, melhor, mistura a realidade e os sonhos, deixando-nos convencidos que tudo é possível: até a felicidade...

Que os teus desejos se concretizem!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Rê: É óptimo receber comentários tão românticos, tão cheios de energia positiva!

Essas palavras chegaram directas ao meu coração...

A beleza é o mais barato alimento espiritual que está à nossa disposição... Tenho a certeza que nunca lhe irá faltar!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Li: A elegância das suas palavras deixam-me desvanecido!

Aquele sítio é incrível pela sua beleza suave...

Tanto que achei não ser necessário inventar nada!

Tenha uma óptima semana!

Beijo,
António

joven disse...

beautiful blog..pls visit mine and be a follower.. thanks and God bless..

http://forlots.blogspot.com/

Lu disse...

Hermoso y calmo. Armonioso. Tus creaciones son puro disfrute. De estar cerca me postularía para promover tus exposiciones y descontado está que compraría varios cuadros.
Besos.

A.Tapadinhas disse...

Lu: Para mim, é uma prova de amizade quando alguém me compra um quadro!

Por isso, as tuas palavras são tão importantes...

Beijo,
António

Anne M. Moor disse...

António

"Mãos de ouro", como a nossa amiga Graça de chamou :-), dá um pulinho lá no Life... Living...

Beijos
Anne

A.Tapadinhas disse...

Anne: Sabes qual é um dos meus filmes preferidos? Edward Scissorhands, género fantástico, dirigido por Tim Burton e estrelado por Johnny Depp. Aliás, qualquer filme desta dupla é, para mim, imperdível!

Agora, "António mãos-de-ouro", dirigido por Anne M. Moor e Graça Pereira...

Vou já ver o trailer!

Beijo,
António

Anne M. Moor disse...

rsrsrsrs e tão bom que gostaste do trailer! Me deixa feliz que gostaste!

Beijos sorridentes
Anne

Dóris disse...

Paz e tranquilidade, é exatamente o que me transmite esta belíssima tela. A natureza é simplesmente bela, com lindos pôr-do-sol, e as noites enluaradas? Com sua luz refletindo no mar, lagos e rios. Tudo tão lindo, que tentar definir é impossível.
Parabéns Antonio, sua sensibilidade fica transmitida em suas lindas obras, pelas quais me apaixonei.

Abraço carinhoso e repleto de PAZ.

OBS: Hoje tenho que te falar, ao assistir os jogos da copa do mundo, toda vez que via um certo estádio de futebol(refletido na noite), sua tela A Cidade do Sol não me saia da cabeça, era somente o que me vinha na memória, tua linda obra.

A.Tapadinhas disse...

Dóris: Pablo Picasso disse que não há arte abstracta. O pintor começa sempre a partir de qualquer coisa. Depois, retiram-se todos os traços de realidade.

O pintor tem uma certa realidade. Quando acabamos a obra, se lhe dermos um título, estamos a conduzir a imaginação do espectador num certo sentido. Quantas vezes quem vê uma obra descobre nela aspectos que o próprio autor não imaginava!

A tua imaginação foi levada aquela cidade da luz... Pena que tanto Brasil como Portugal não cumprissem com os nossos anseios...

Beijo de luz.
António

Ava disse...

Oi, António!

Diria que sua obra é refrescante para os olhos...

Essa é mais uma de suas obras que tem as cores do meu somho colorido...

As vezes me acho repetitiva, ao afimar que voce correga na emoção, de tal forma que sua arte toca fundo nossos corações...

E ainda me faz fazer rimas...rs


B.B. e carinhos meus...

Flavio Ferrari disse...

Adorei as estacas. Elegantérrimas.

A.Tapadinhas disse...

Ava: Espero que a minha obra seja climatizada, ou seja, refrescante no Verão e quente no Inverno...
:)
Sonhar, assim, em technicolor é mais agradável do que a p&b...
:)
É a sua alma de poeta a revelar-se!

BB
António

Graça Pereira disse...

Sensação de paz e tranquilidade...
Plenamente CONSEGUIDA!!
Beijo
Graça

A.Tapadinhas disse...

Flavio: A luz do pôr-do-sol dá uma ajuda...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Graça Pereira: É esse também o meu sentimento. Obrigado!

Beijo,
António

Meri Aleixo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Meri Aleixo disse...

Agradeço tua visita, volte sempre ue quiser.

Achei teu espaço de um bom gosto impar.
Sou fã das arte, e admiradora de quem pinta assim,
a liberdade vinda da inspiração, imaginar e soltar o pincel.
Minha irmã mais velha é "artista plástica", formada pela vida
sem nunca ter ido para aulas de pinturas,
desenvolveu técnica, e uma delicadeza nas pinturas que faz.
São telas lindas,
e ela é uma simples dona de casa, mas com um talento incrível


António deixo um abraço
e minha admiração pelas tuas obras lindas

A.Tapadinhas disse...

Meri Aleixo: Sendo a tua irmã uma artista, tens de lhe seguir as pisadas: a tua sensibilidade é meio caminho andado...

Um dos maiores poetas populares portugueses tem o teu apelido, António Aleixo. É dele esta quadra:

A arte em nós se revela
Sempre de forma diferente:
Cai no papel ou na tela
Conforme o artista sente.

Obrigado pelas tuas palavras.

Beijo,
António

Cordelia disse...

te felicito por estas pinturas, has conseguido una gama de colores preciosísima en estos cuadros de mares, orillas, cielos, barquitos, de quietud y de vida

los miro una y otra vez

Besos