quinta-feira, 11 de novembro de 2010

FAVELA


Favela 911 Autor António Tapadinhas
Acrílico sobre Tela 50x60cm
(clique sobre a imagem)

Favela no Brasil, bairro de lata em Portugal ou musseque em Angola, são palavras que definem a área degradada de uma cidade, caracterizada por moradias precárias, com edificações inadequadas e materiais de construção inventados, muitas vezes estranguladas entre morros ou colinas.
No meu quadro é o azul que oprime as casas e as pessoas que se adivinham nos intervalos coloridos das vielas estreitas e é o amarelo que serve de manto diáfano para a dureza do quotidiano.
Esta é a primeira obra duma nova série a que chamo, Favela, porque das palavras que definem esta realidade, é a palavra mais colorida.
Na penumbra dourada que suaviza as cores cruas do passado presente, espero que encontrem a beleza verdadeira, aquela que provoca arrepios, como na canção de Caetano Veloso, Menino do Rio.
Tomem esta minha obra como um abraço!

70 comentários:

Rogério Pereira disse...

Sim, tem razão...
Favela terá mais colorido,
Musseque não!

(posso tomar essa sua obra... como um abraço?)

Vieira Calado disse...

Muito bem composta,

a sua imagem!

Um abraço

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que lindo...
o tema é triste, mas você levou beleza à uma situação social tão difícil.
que as belas cores de sua obra cheguem às favelas do mundo...
bom dia

Gonzo Sade disse...

Belo retrato desse aglomerado que só cresce em meu país. Esse azul que oprime também suavisa os dias de barra dos guerreiros favelados.
Grande tela!

Gonzo Sade disse...

Ah, sim. Sei que é tarde pra isso, mas,quando conheci teu blog me veio à vista a tua "Floresta maravilhosa", lembra, não? Gosto de voltar àquela vereda, sempre que posso. Imagino-me percorrendo a vereda misteriosa. Ela exala medo, curiosidade e um misto de calafrio com estupefação. Gostaria de sonhar com ela.

Anne M. Moor disse...

António

Estou me sentindo um pouco como as pessoas oprimidas no teu quadro brilhantemente real!!

Oprimida por mim mesma e pela capacidade de ser parva!!!!!!!!!!!

Bjinhos
Anne

A.Tapadinhas disse...

A importância das palavras!

O que é certo é que a realidade não se altera, só com palavras...

Pode e deve!
:)
Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Vieira Calado: É um tema muito aliciante!

Obrigado pela visita e bom fim-de-semana!

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Alexandre: Nem sempre as imagens mais chocantes são as que obtêm melhores resultados.

Um pouco de beleza é sempre uma ajuda...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Gonzo Sade:
1-Existe noutros países, Portugal incluído, com outro nome, mas com uma realidade semelhante...

Agradeço o teu elogio!

2-Claro que sei do que estás a falar! Essa obra foi executada num período difícil da minha vida!

Estou, agora, a olhar para a vereda misteriosa... Continuo a ver, lá ao fundo, uma luz...

Sonhar com ela? Bons sonhos!
:)
Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Anne: A tua imaginação, a tua sensibilidade é capaz de te colocar nos sítios mais improváveis, de descobrir os mais pequenos detalhes...

Eu confesso, que não tenho capacidade de perceber a que te referes, no final do teu comentário. Queres partilhar comigo o que pretendes dizer?

Deixo-te um beijo, com o desejo de um óptimo findi!

António

Fê-blue bird disse...

Recebi o seu abraço, forte como a sua pintura.
Uma tela expressiva, intensa e colorida, tal como a multidão nela contida.

beijinhos

Anne M. Moor disse...

António :-)

As vezes AINDA consigo ter a capacidade de agir como uma parva de 15 anos!!!! E me enxerguei perdida nas ruelas da tua tela! rsrsrsrs Estou bem.

Beijão de Montevideu
Anne

maria cleia disse...

É linda!!!! e eu acho o máximo poder ouvir(ler)do próprio artista, o porque das cores, das formas, do sentimento no ato criativo...e um pouco entender a alma criativa, obrigado...me sinto totalmente abraçada...bjs cléia

lolipop disse...

Querido amigo,
Gostei genuinamente deste seu trabalho. Nascida em Angola, conheço bem os mosseques...
Ao vê-lo, a primeira coisa de que me lembrei foi de apresentá-lo a uma amiga Brasileira, de coração sensível á natureza, á pobreza e á beleza. Há dias ela ligou no blogue dela, uma tela de Paul Klee intitulada Rose Garden ás favelas do Rio de Janeiro...
Deixo-lhe o link:

http://supremamaegaia.blogspot.com/2010_10_31_archive.html#3808950181483769492

BEIJOSSSSSS

Beth/Lilás disse...

Olá, António!
A amiga Lolipop me levou seu link para esta tua bela postagem e vim espreitá-lo, claro!
Amei sua pintura e a descrição que fizeste. Cada vez mais fico feliz em descobrir pela blogosfera tantas pessoas sensíveis à arte e às letras.
Parabéns, lindo blog!
Passe no meu hoje e veja o que estamos a falar sobre a tela de Georgia O'Keefe.
abraço carioca

A.Tapadinhas disse...

Fê-blue-bird: Coloridas palavras que me deixam muito agradecido...

Tenha um bom fim-de-semana!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Anne: Esse sentimento é sinal de uma saúde à prova de bala.

Em vez de te perderes nas ruas da minha tela, podes experimentar as vielas de Montevideu, que devem ser bem interessantes...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Cléia: É sinal da sua grande sensibilidade esse sentimento de se sentir abraçada por uma imagem...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

lolipop: Em primeiro lugar agradeço-lhe as palavras amáveis...

Vou visitar o blogue que indica, com todo o prazer... Paul Klee é um dos imortais...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Beth/Lilás: Olá!
Lolipop é uma querida e a Beth deixou-me com muita curiosidade...

Vou aceitar já o seu convite e da Georgia O'Keefe, agradecendo as suas palavras!

Abraço deste lado do Oceano.
António

mundo azul disse...

_________________________________


Antonio, achei maravilhosa a sua visão! Favelas, não são só tristezas...

Parabéns, gostei demais desse trabalho!

Beijos de luz e o meu carinho...

____________________________

Luna Sanchez disse...

A mesma canção diz :

"Tudo o que sonhares,
todos os lugares,
as ondas dos mares..."


De fato essa obra canta.

Muito, muito bonito!

Beijo.

ℓυηα

A.Tapadinhas disse...

mundo azul: Estou de acordo consigo, querida amiga!

Basta ver a quantidade de obras de arte baseadas nesse tema, em áreas tão diversas como pintura, música, teatro, eu sei lá!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Luna Sanchez: A cintilação da luz faz vibrar as cordas do nosso coração...

Beijo,
António

Malu disse...

Deu um tom de beleza e bom gosto
à uma realidade não tão bonita ...


Bjo e uma Tarde Feliz !

Ava disse...

António Tapadinhas, como não ficar extremamente admirada e sensibilizada com o encanto desse seu trabalho?
Voce deu a favela uma outra dimensão, onde com a beleza de suas cores conseguiu "encobrir" a feiura da realidade...
O que me fascina é a maneira como podemos "ver" essa realidade, sob o seu prisma ela fica bem mais colorida e alegre.


BB sempre encantados...

Fernanda disse...

Olá amigo!

Muito azul, muito mais bela as favelas pintadas assim nestes tons.

Beijinhos de quem não desapareceu:)

A.Tapadinhas disse...

Malu: A beleza está nos olhos de quem observa!

Tenha um bom fim-de-semana!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Fernanda: Olá! É um prazer recebê-la!

É bem-vinda em qualquer altura, minha amiga!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Ava: Quando falamos de uma realidade, estamos a chamar a atenção para ela!

Esta nossa atitude pode ser o impulso que falta para mudar o que está mal...

Temos de ter consciência da nossa importância, valeu?

BB
António

Pena disse...

Admirável e Precioso Amigo António:
Um belo quadro que retracta uma favela.
"...Na penumbra dourada que suaviza as cores cruas do passado presente, espero que encontrem a beleza verdadeira, aquela que provoca arrepios, como na canção de Caetano Veloso, Menino do Rio...."

Não posso ficar indiferente a esta sublime e divinal forma de sentir intensa. Genial e de sonho.
Vê-se ao longe a excelência e majistral alegria metafórica de um Ser Humano de deslumbre que maravilha e enternece pelas atituides artísticas notáveis e sentidas.
Parabéns, amigo António.
Vale ouro puro.
Abraço amigo pela sua magia na confecção dos seus quadros soberbos de maravilhar.
Com respeito e sempre a admirar o que faz de forma brilhante e fantástica.
Grato pela visita que adorei.

pena

Desnuda disse...

A.Tapadinhas,


gostei muito do quadro e das cores usadas: cores bonitas e alegres como são os brasileiros e em especial nós, os cariocas.
As cores tem a visão dos bons sentimentos e dos bons desejos do pintor em relação aos moradores das favelas. Obrigada. A tela em si tem características bem baianas nas cores e na expressão artística.

Um abraço.

Paula Barros disse...

Obrigada pelo seu comentário.

Li seu perfil e a importância da pintura para você, bem interessante.

Os seus quadros com barcos me despertaram mais atenção e emoção.Gostei dos textos que acompanham os quadros.

Preciso voltar com mais calma, menos cansada.

abraço.

A.Tapadinhas disse...

Pena: Sinto que as minhas palavras não poderão expressar o meu agradecimento, como desejaria. Por isso, vou continuar a pintar...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Desnuda: Sinto bem no fundo do coração as suas palavras, porque são de uma pessooa qur conhece a situação bem de perto...

Convido-a a passear nos meus barcos e rios sempre que quiser: tem um passe vitalício!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Paula Barros: O final do anterior comentário é também dirigido a si:

Convido-a a passear nos meus barcos e rios sempre que quiser: tem um passe vitalício!

Prometo arranjar um remador para que o seu descanso seja total!

Tenha um bom Domingo!

Beijo,
António

Teresinha Ferreira disse...

Olá,
Como vai?
Obrigada pelo comentário no meu blog.
Adorei seus trabalhos, principalmente a retratação da favela. Deu um toque especial para algo, que muitas vezes é tão deprimente.
A partir de agora vou participar do seu blog, pois é interessante termos pessoas que adoram o lúdico da arte.
Tudo de bom.

jorge disse...

Otra ves un cuadro impactacte.

Con un colorido que me recordo (a bote pronto) un Jasper Jonhs que vi en USA.

Una pena que todavia en estos tiempos todos los paises sigan sin arreglar el problema de las infraviviendas.

Glorinha L de Lion disse...

Olá Antonio. Sem palavras diante de tua tela! Beleza e poesia diante da crueza da realidade. Lindo! Beijos,

Camille disse...

Bonito trabaho Antonio. Gostei especialmnete das marinhas. Muito obrigada por seu comentario tao generoso.
Cam

Carla Farinazzi disse...

António, vim agradecer a sua visita e conhecer seu blog, suas pinturas. Adorei tudo que vi por aqui!

Parabéns, você é um grande artista.

Beijos

Carla

Paula Li disse...

OLá Antônio,
obrigada pela visita, além de pintor tem alma de poeta.
Magnífica obra!!!
Abraços

Pinceladas by Maria Kiki disse...

Através do blogue "Só Imagens", vim dar uma escapadela ao seu blogue. Pintura é algo que me fascina, e por isso fiquei encantada com o seu trabalho.
Bjs
MariaKiki
pinceladsbymariakiki.blogspot.com

A.Tapadinhas disse...

Teresinha Ferreira: Se uma realidade é perturbadora, em minha opinião, há duas maneiras de a modificar: mostrá-la pior do que é ou salientar o que tem de melhor...

Eu prefiro a segunda opção!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Jorge: Muito estimulante essa tua comparação! Gracias!

Quero ver o que dizes quando eu começar a pintar bandeiras...
hehehe

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Glorinha: Obrigado!

"Sob a nudez crua da verdade o manto diáfano da fantasia"...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Camille: Comentário generoso, diz...

Mas eu acrescento, sentido e verdadeiro!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Carla Farinazzi: Agradeço a amabilidade das palavras...

e ainda mais a sua visita!

Tenha uma boa semana!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Paula Li: As suas palavras revelam a sua sensibilidade!

Agradeço as palavras e parabéns por ser assim!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Maria Kiki: Obrigado pela visita! Bem-vinda!

Tenha uma óptima semana!

Beijo,
António

Thaís Alves disse...

Linda tela, Antônio. Brilhante a idéia de retratar uma triste realidade com alegria. Que afinal a favela é mesmo o retrato da diversidade disfarçado de comum. Assim como na sua tela. Adorei! Beijos

Suziley disse...

Bela arte em tela, Antonio! Vou seguir o seu blog para apreciar a sua arte. Boa noite, um grande beijo no seu coração :)

Graça Pereira disse...

Favela, penso que é um nome fabuloso para a tua tela cheia de côr...Não sei se o azul oprime ou se pelo contrário é uma linha onde começa a liberdade!
Beijo
Graça

Bandys disse...

Belas cores fez um belo quadro.
Parabéns!

Obrigado pelas palavras no meu cantinho.


Te deixo outro abraço

Walmir Lima disse...

Caro António,

Esse teu quadro é a melhor ilustração para a música de Sílvio Caldas, que, assim, cantou a Favela brasileira:

Chão de Estrelas
(Silvio Caldas/Orestes Barbosa).

Minha vida era um palco iluminado,
Eu vivia vestido de doirado,
Palhaço das perdidas ilusões . . .
Cheio dos guizos falsos da alegria,
Andei cantando a minha fantasia
Entre as palmas febris dos corações.
Meu barracão, no morro do Salgueiro,
Tinha o cantar alegre de um viveiro,
Foste a sonoridade que acabou . . .
E hoje, quando do sol, a claridade
Forra o meu barracão, sinto saudade
Da mulher pomba-rola que voou . . . .
Nossas roupas comuns dependuradas,
Na corda qual bandeiras agitadas,
Pareciam um estranho festival . . .
Festa dos nossos trapos coloridos,
A mostrar que nos morros mal vestidos
É sempre feriado nacional.
A porta do barraco era sem trinco,
Mas a lua, furando o nosso zinco,
Salpicava de estrelas nosso chão . . .
Tu pisavas nos astros distraída,
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabrocha, o luar e o violão . . .

Um abraço de Centauro
Walmir

Antonio disse...

Tem um samba paulista que define a Favela como "um inferno colorido,num quadro que o Diabo pintou". Você olha a favela com um viés mais poético,mas sem deixar de colocar um tom politico e social. Infelizmente, a droga e a violência tiraram há muito tempo a poesia da favela. Parabéns pelo quadro. Abraços e boa semana

A.Tapadinhas disse...

Thaís Alves: Acho que em qualquer sítio, se olharmos com atenção, encontraremos motivos para acreditar no nosso semelhante...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Suziley: Agradecido pela visita e pelas amáveis palavras!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Graça Pereira: O teu ponto de vista é mais optimista!

Se calhar, também mais verdadeiro...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Bandys: Agradeço as palavras carinhosas.

Agora, deixo-lhe, um beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Walmir Lima: Não conhecia! Agora, estou a ouvir esse retrato ao som do violão...

Quem tem internet e amigos assim tem tudo!

Obrigado, amigo!

Abraço de centauro,
António

A.Tapadinhas disse...

Antonio: Se estivermos com a devida atenção encontramos poesia em todo o lado. Claro que essa poesia não deve ocultar a realidade dura ou como diz o poeta, a nudez crua da verdade!

Abraço,
António

Pinceladas by Maria Kiki disse...

Olá!
Quero agradecer a sua visita ao meu cantinho.
Sim aquela paisagem que pintei, é mesmo o sul da Suécia. São grelos em flor, e dessa flor é feita margarina e óleo.
Mas faz-me lembrar também os campos alentejanos.
Continue a pintar e a encantar com os seus trabalhos.
Bjs
MariaKiki

Carmen Mesquita disse...

Olá, Antonio!

Que belas pinturas. Adorei!
É muito bom ver tudo através das tintas, não?

Um grande abraço

A.Tapadinhas disse...

Maria Kiki: Não tem de agradecer a visita porque foi um prazer para mim.

Sempre que visitar o Sem Margens, sinta-se em casa!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Carmen Mesquita: É bom ver todas as coisas como um possível quadro, apreciar a cor, a luz, imaginar o que seria possível fazer para tornar o tema mais apelativo...

Desde que não se torne uma obsessão!
:)
Beijo,
António

piedadevieira disse...

Antonio,
as cores para mim representam as numerosas famílias ali concentradas.Cada uma fluindo um sentimento. As cores representam o abstrato. Assim é a vida, também na favela.Como posso afirmar quem é quem? Tudo se mistura num infinito de cores.Assim eu vi.
Beijos

Nilredloh disse...

Caro António,

Um morro-favela, mas pictoricamente lindíssimo... não percebo nada de pintura mas tento apreciá-la com os olhos do cérebro. Adorei essa pintura.

Um abraço com amizade,

Jorge

lucianohortencio disse...

Coloquei a "Favela" de António Tapadinhas em um vídeo que estou enviando para o Youtube:
Aracy de Almeida - Minha Cabrocha
http://youtu.be/-sJ6G98xubg
Coloquei o devido crédito para o artista António Tapadinhas.
lucianohortencio