quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A MINHA CASA E OS QUADROS I



I Entrada
Resolvi fazer uma vista guiada com os meus amigos aos quadros que estão a dar vida às paredes da minha casa.
E vou começar pelo princípio: a entrada, como nos banquetes!
Ao passar a porta, à nossa direita, podemos ver o quadro “Muro dos Bacalhoeiros”, do qual disse em 4 de Maio de 2011:

Nesta minha vertigem pela Ribeira do Porto, uma das telas de que mais gosto e que por isso continua em minha casa, é esta que mostra o Muro dos Bacalhoeiros.
É uma obra em que utilizei cores fortes, com as suas complementares bem próximas, para salientar a força que emana daquelas pedras. Não satisfeito com o resultado obtido, procurei reforçar essa sensação com a mistura de areia na tinta, criando o aspecto rude e rústico das rochas, que falam connosco como as castiças gentes do Porto.
Nesta obra, as janelas das casas deixam de ser elementos “apenas” decorativos: estão humanizadas com a sugestão de roupas penduradas e vasos de flores que lembram as pessoas que as habitam.
Sei por experiência própria do mau gosto associado à escolha das molduras para as obras de arte. Não sei se por força da sugestão dos vendedores, que mais do que servir os clientes, querem vender as mais caras, ou por pressão do dono que quer valorizar uma obra que deve valer por si própria. Há casos em que a moldura fica mais cara do que a peça que contém.
Para este quadro fui eu que fiz a moldura: cortei e pintei a madeira com a mesma tinta que utilizei na tela. Utilizei o azul ultramarino (deep), misturado com um pouco de vermelho de cádmio, para o escurecer ao mesmo tempo que o torna menos frio.
É este Porto sentido que eu pretendi retratar. Para mim, sempre que passo por esta obra não resisto a dar-lhe uma nova mirada. E ela retribuiu como uma amante fiel: sempre lhe descubro novos encantos!

8 comentários:

Rui Pascoal disse...

É um bom sinal quando existe cumplicidade entre o pintor e a pintura.
:)

Flor de Jasmim disse...

O encanto que não está ao alcance de todos os olhos.

Beijinho e uma flor

OUTONO disse...

...a visita guiada...deverá continuar, para os "faltosos"...

Abraço!

Fernanda disse...

Começaste muito bem com um soberbo quadro da Ribeira do Porto.

Beijo

AC disse...

Grato pela visita guiada.
Mas deixe que lhe diga uma coisa curiosa. Só há pouco tempo descobri a sua pintura, que logo me encantou, e decidi começar a publicar algumas das suas inspirações. Com a devida referência, é óbvio. Hoje, para minha satisfação, descobri que tem um blogue. Há dias assim, agradáveis.

Abraço

Fernanda disse...

Tivesse eu telas assim para mostrar e faria da tua ideia minha:)

Beijinho

Anne disse...

António

Adoro este teu quadro!

"Nesta obra, as janelas das casas deixam de ser elementos “apenas” decorativos: estão humanizadas com a sugestão de roupas penduradas e vasos de flores que lembram as pessoas que as habitam."

Humanizados como a mão que as pintou.

beijo grande
Anne

*Alê Poveiro* disse...

Colecionar as próprias criações é Mastercard; não tem preço.... Só quem faz e tem sabe o que é! Belíssimo acervo.