segunda-feira, 18 de outubro de 2010

ÉOLO


Moinhos de Alburrica Acrílico sobre Tela 50x50cm
(clique sobre a imagem)


Moinhos (em construção)

Já devem ter notado que os deuses gregos têm relações de tal maneira conflituosas, que será melhor não nos metermos nestas querelas familiares.
Éolo interessa-me porque, segundo a Odisseia, tratou com deferência Ulisses, ofertando-lhe um odre em que estavam encerrados todos os ventos com excepção dos ventos Zéfiros que o levariam a sua casa, em Ítaca.
Ulisses, fundador da cidade de Lisboa segundo a lenda, daí também os seus habitantes serem chamados de ulissiponenses, tem no Castelo de S. Jorge uma torre com o seu nome. Nesse local, está instalado um mecanismo óptico inventado por Leonardo Da Vinci no século XVI, um Periscópio, único existente em Portugal, que permite observar a cidade a 360º em tempo real, incluindo a margem esquerda do Tejo.
Nesta paisagem que eu, recorrentemente, fotografo e pinto, o grande destaque vai habitualmente para os moinhos de vento de Alburrica. Desta vez, queria destacar a paisagem circundante: o céu e, claro, o Rio Tejo, como estão nesta fase do trabalho.
Não consegui resistir à beleza da embarcação beijada pelas águas calmas do rio.
Quem conseguir que atire a primeira pedra!

42 comentários:

relogio.de.corda disse...

E destacou muito bem toda a paisagem e em especial, esta embarcação.
Um belo quadro a apelar à serenidade.

Luís Coelho disse...

Os quadro são maravilhosos e prendem -nos pela força das cores.
Gosto mais do primeiro com aquele barquinho.

lolipop disse...

Adorei a história do Éolo...e os seus barcos nesse azul!
Ternuras

Anne M. Moor disse...

António

Teus azuis!! O barco, que faz um 'redemoinho' de paz no rio me parece (embora eu seja suspeita depois do escrevi no meu blog hoje) um momento de silêncio construtivo. Belo quadro!

Beijos silenciosos :-)
Anne

Rogério Pereira disse...

Esses os moinhos da minha infância!
Recordamos talvez sob o mesmo céu azul,
navegando direito à margem sul,
dexando para trás Ulissipo...
(ampliei a imagem
para lhe poder tocar...)

Abraço

A.Tapadinhas disse...

relogio.de.corda: Serenidade é o que todos precisamos para enfrentar os nossos problemas...

António

A.Tapadinhas disse...

Luis Coelho: É conveniente, mesmo para os que sabem nadar, terem um barquinho...

...uma bóia também serve...
:)
Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

lolipop: Os barcos só o são, realmente, quando têm azul...

do céu ou do mar!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Anne: Há novidades?

Silêncio, paz e, já agora, porque não devemos ser pobres a pedir, felicidade, nas doses certas, fazem muito bem...

Beijo azul-céu,
António

A.Tapadinhas disse...

Rogério Pereira: É uma pequena viagem sempre cheia de significado, principalmente para quem nasceu na margem esquerda do rio...

...e da vida!

Abraço,
António

fairi disse...

¡ que belleza¡

adoro tus azules....

la palabra`` moihnos`` me resuena en el alma como ``arrunacos``ah¡ los idiomas y la comunicacion...

me he sentido`` arrunacada,`` viendo tu obra...

A.Tapadinhas disse...

Fairi: Sinto-me feliz por saber que uma fada boa continua a navegar nas minhas águas azuis...

Beijo,
António

Sylvia Rosa disse...

Ah Antonio! Estou aqui não por generosidade, mas por curiosidade mesmo, afinal minha manhã ficou mais bela e cheia de LUZ , afinal me deparei com você, e ainda mais com essas telas escritas e tantas palavras pintadas , as quais me enchem os olhos dágua. Muito lindo aqui, mas os posts : LUZ, PINTE PALAVRAS E QUIXOTESCO me encheram os olhos literalmente. Que continue assim e não te perderei de vista, e vou te vendo e vendo meu rio como quando ele nasceu...
Beijo-te respeitosamente!

Fernanda disse...

Adoro contos e lendas!
Amei o conto do Éolo...as telas são sensacionais.
Barcos e água, embarcações beijadas pelas águas cálidas de um azul "quente", porque aquece a alma.

Beijo

A.Tapadinhas disse...

Sylvia Rosa: Ainda bem que a sua manhã ficou cheia de luz!

Quem sabe essa luz continua a inundar seu coração...

como as mansas águas do rio...

Palavras lindas que me dedicou e que eu agradeço, com carinho.

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Fernanda: Tua alma já tem o calor da ternura que dedicas a quem te rodeia...

Agradeço o calor das tuas poéticas palavras.

Beijo,
António

Graça Pereira disse...

Aos pintores (os bons pintores) nada passa despercebido...Analisar uma paisagem sem a sentir...seria, de alguma forma,destruí-la! Aquele barco perdido no azul, vagando talvez á espera da paciência e do amor de uns pincéis, era um enunciado de vida...Marguerite Yourcenar dizia" deixar de ser amada é tornar-se invisível". E hoje, Saramago diria: "Se podes olhar, vê. Se podes ver,repara".
Beijos
Graça

Fernanda disse...

Amigo!

Ri-me com a máxima!

Canário canta para atrair a fémea. A fémea não canta...deixa-se encantar!!!

Beijo

flor de jasmim disse...

António

Obrigado pelo o comentário que deixou no meu blogue, para mim são palavras sentidas.
Já foram várias as vezes que andei por aqui descobri seu blogue atravez do blogue do nosso amigo Rogério, tudo o que aqui vi é maravilhoso.
Bem-haja

Abraço
Adélia

piedadevieira disse...

Gostei de saber a história.
Quanto à pintura são belas, mas a do barquinho me tocou mais.
Beijos

A.Tapadinhas disse...

Graça Pereira: Tudo se treina, como, por exemplo, aprender a pintar ou a ver pintura, aprender música ou ouvi-la...

Para que isso seja possível existe a escola, porque ninguém nasce ensinado!

A escola pode ser a da vida, que é uma excelente mestra!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Fernanda: São técnicas que eu ainda não aprendi a dominar...
:)
Beijo.
António

A.Tapadinhas disse...

flor de jasmim: Ainda bem que deixou o seu perfume nas margens do meus rio...

Podemos descansar em paz...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

piedadevieira: A sensibilidade é o nosso cartão de visita para os amigos...

Beijo,
António

Colecionadora de Silêncios disse...

Olá, Antônio.

Prazer enorme conhecer o seu espaço. Puro encanto!

Adorei as suas pinturas! Eu tb pinto telas, adoro arte! Os seus escritos são tb maravilhosos!

Obrigada pela visita e pela oportunidade que me deu de poder estar aqui, conhecendo o seu lindo trabalho.

Beijos e sigo-te tb! :)

jorge disse...

Antonio tienes que acordarte de recomendar que piquen las imagenes para verlas en grande.

Esta es maravillosa. Me ha encantado.

Interesante lo del invento de Da Vinci.

¡No tenia ni idea de que Ulisses habia pasado por Lisboa!
Si que equivoco la ruta, si (jejeje).

Wanderley Elian Lima disse...

Lindos, texto e pintura. amei.
Abração

A.Tapadinhas disse...

Colecionadora de Silêncios: Está a coleccionar amigos, assim, com essas palavras encantadoras!

A sua sensibilidade tem de se manifestar de alguma maneira!

Se for pela pintura, tanto melhor!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Jorge: Acabei de escrever um comentário no teu blogue...

...e tenho um no meu! Se não fosse pela diferença horária, tenho a impressão que seriam simultâneos!

O engraçado é que foram, apesar de a horas diferentes! Só Einstein poderia explicar este paradoxo...
hehehe

Tu nunca te esqueces de ver as imagens em grande, ao contrário de mim, que me esqueço de o recomendar...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Wanderley Elian Lima: Espero que o nome esteja certo! Na próxima vez, escreverei só Wanderley, tá?

Obrigado pelas palavras amigas!

Abraço,
António

olhar disse...

Antonio, é mesmo um prazer estar aqui em seu blog!Que telas lindas!Elas "falam" sozinhas...que belo trabalho!
Passarei por aqui mais vezes!
E sinta-se sempre em casa lá em meu OLHAR...onde sempre se OLHA DENTRO DOS OLHOS...

um beijo,

Bia

Ava disse...

António, o que aprecio em ti, com um encantamento impar, é sua capacidade de tecer comentário, que aliados a sua obra, ficam perfeito!

Pois além da beleza, ainda temos uma aula de cultura, dada com maestria...

Hoje, em vez dos BB, deixo-te um odre deles, bem lacradinho, para que liberes davargazinho, e assim, possas apreciar com moderação...rs





PS: Quanto a felicidade, sempre que é demais, temos essa sensação de perda iminente, e por conseguinte esse medo...

Fê-blue bird disse...

Dois quadros que me inspiram serenidade, um texto que me informou algo que desconhecia.
Perfeito!
Hoje estar a precisar de ver beleza, vi-a e senti-a aqui.
Obrigada!

beijinhos

A.Tapadinhas disse...

Bia: Considerando o que li, elas (as telas) não falam sozinhas: falam para si, e para todas as pessoas com sensibilidade...

como a minha amiga!

Bem-haja!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Ava: E eu o que aprecio em ti é a tua capacidade de me fazer sentir bem, comigo mesmo e com os outros...

Quanto ao cuidado com o consumo dos beijos, acho que não dá: vão todos de seguida, sofregamente...
rsrsrs

BB
António

A.Tapadinhas disse...

Fê-blue bird: Hoje está a precisar de sentir beleza? Quem não está?!

Hoje e sempre!

O seu consumo nunca é excessivo!

Beijo,
António

Humberto Dib disse...

Olá, António, volto a te vistar porque o teu blogue é muito legal mesmo!!
Estou num projeto de união dos bloguers que vá além dos idiomas.
Um abraço desde Argentina.
Humberto.

A.Tapadinhas disse...

Humberto: Todos os projectos que envolvam a união das pessoas são muito legais!

Para começar, falas (escreves) bom português, com sotaque brasileiro.
:)
Abraço,
António

Uni ver sos disse...

Radiante de encontrar-te!

Emprestas uma luminosidade, movimento e cores às tuas obras que deixa-nos extasiados...

Prazer em recebê-lo em meu espaço!

Abraços poéticos!

Ξ ѕ t є я

manuela baptista disse...

entre histórias de deuses

e de barcos

admiro as suas telas e agradeço a sua presença no meu blog!

um abraço

manuela

A.Tapadinhas disse...

Universos: Radiante por ser encontrado e vice-versa...

Volta sempre que quiseres! Procuro receber os amigos o melhor possível.

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Manuela Baptista: Onde há um deus também haverá uma deusa...

Ou sereia... ou tágide, visto que falamos do Tejo!

Abraço,
António