segunda-feira, 15 de agosto de 2011

CRISTO-REI

Cristo-Rei Autor António Tapadinhas
Tinta-da-china sobre papel Canson 400g 30x30cm

Este estudo foi feito a tinta-da-china e pincel para ilustração de um conto. O que me chamou a atenção e motivou a execução desta obra foi a aparente indiferença dos operários perante a imponente figura que tentava abraçá-los. Tinha planeado fazer a obra final em óleo sobre tela mas, até agora, ainda não tive tempo…
A imagem foi captada quando se realizavam as obras na ponte 25 de Abril, no já distante ano de 1999, na preparação do tabuleiro para a passagem do comboio na travessia do Tejo.
Esta ponte entrou em funcionamento em Agosto de 1966 e ainda está entre as maiores pontes suspensas do mundo e era, na época da sua construção, a maior da Europa.
Tem, para mim, uma curiosidade ainda maior: A primeira e única vez que a atravessei por baixo foi em Agosto de 1967, a bordo do paquete Vera Cruz, no regresso da minha comissão em Angola!

11 comentários:

Franco disse...

Oi!
Realmente a indiferença é perceptível,mas pode ser apenas aparente.
Gostei muito das cores.As vezes pensamos em fazer alguns trabalhos em óleo,mas vai sempre ficando pra depois,e de repente,ele acontece.
Beijos.

Rogério Pereira disse...

"O que me chamou a atenção e motivou a execução desta obra foi a aparente indiferença dos operários perante a imponente figura que tentava abraçá-los."

Sensivel à ausência de gestos, também é assim que olho a estátua, da minha janela e a ponte entre mim e ela.
Quase me pinta essa visão descrita ontem no meu blogue... mais uma vez a coincidência.

folha seca disse...

Caro A.Tapadinhas
Nos meus tempos de Jovem, já com carro ir a Lisboa era uma aventura.
Ir da Provincia à grande Cidade era coisa rara. O transito já nesse tempo era uma grande confusão.
Um dia perdi-me. Quando dei por isso já estava no acesso à ponte e não podia voltar atrás. Fui dar a volta a Almada. Vi pela primeira Vez o Cristo Rei ao mesmo tempo que circulei pela primeira vez na Ponte 25 de Abril.
Memórias.
Abraço

Flor de Jasmim disse...

Caro A.Tapadinhas
Mais uma das suas belissimas obras cheias de cores que nos dão um pouco de alento olhando-as.
Abraço

Luna Sanchez disse...

António,

O segundo, da esquerda para a direita, aceitará o abraço logo, logo. Sinto isso.

;)

Um beijo.

Anne M. Moor disse...

Não conhecia esta tua obra. Interessante mesmo a aparente falta de interesse dos obreiros...

beijos
Anne

Justine disse...

É um trabalho de contraste, entre as cores vivas de toda a tela e o silêncio dos operários e e da figura central...
(Obrigada pela visita:)))) )

Mar Arável disse...

Grato pela sua visita

O seu texto pintado é excelente

Graça Pereira disse...

É uma obra magnifica que...serviria para documentar tantos textos.
A tua observação é primorosa!
A primeira vez que visitei o Cristo Rei, foi num dia ventoso de Março corria o ano de 1967 e...estava cá de férias!
Beijo amigo
Graça

A.Tapadinhas disse...

Graça Pereira: Não consigo fazer um comentário no teu blogue...

...dá Sem Acesso.

Sabes o que está mal? Eu não sei!

Beijo,
António

OceanoAzul.Sonhos disse...

Excelente!

um abraço
oa.s