segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

PÁSSAROS DE FOGO


Flamingos no Rosário Acrílico sobre Tela 25x56cm

Este quadro foi o número um da minha mais recente exposição. Não houve nenhum motivo especial, simplesmente, aconteceu. No entanto, a minha filha Elsa que não esteve presente, quando me telefonou a desejar aquilo que uma filha querida deseja para o seu pai, pediu-me para lhe enviar uma fotografia da última obra que tinha feito para a mostra, porque alguém lhe tinha dito que era espectacularmente bela. Aconteceu também que esta foi adquirida, logo na abertura da exposição. Todos, sem excepção, achavam algo de especial nela. Chegaram ao ponto de dizer que seria um documento histórico, porque daqui a alguns anos, com a pressão urbana, os locais em que vivem os flamingos terão desaparecido, e o quadro seria um dos testemunhos vivos da sua presença na zona dos esteiros e sapais da Moita.
Depois de pensar um pouco sobre o assunto, quero confessar que, desta vez, foram os meus amigos que me ensinaram a ver a obra que eu tinha criado: manter o espírito aberto para aprender, é um sinal de humildade que eu gostaria de manter...
Sobre a execução da obra, foram os flamingos, pássaros-de-fogo, que me deram a inspiração para cobrir todo a tela com o meu mais profundo e afogueado laranja. Todas as outras cores nunca chegam a esconder a chama que está por baixo delas: vibra por entre as núvens, espreita nas águas do Tejo, fornece luz às casas e dá o tom róseo aos flamingos!
Aguardo, com interesse, a vossa opinião!

34 comentários:

jorge disse...

Antes de leerte, me pareció que un incendio iluminaba la escena.

Después de leerte y saber tu intención de fuego se me quedó una sonrisa de "entendido· (jejeje).

Creo que esa humildad la tienes y -como yo- ya no estás en edad de cambios innecesarios.

folha seca disse...

Caro A.Tapadinhas
Talvez da junção da pintura com as palavras este quadro é aquele em que as palavras o melhor complementam.
O "Jorge" que comentou antes foi esclarecedor na ideia do fogo.
Para além da beleza, concordo com o facto de ser um documento histórico. Pois tal como nas "baleias" um dia não vai haver Flamingos para mostrar-mos ao nossos netos.
Abraço

PS: Acho que o vou roubar por uns dias,para expôr no meu escaparate itinerante.

Rogério Pereira disse...

Pintar o momento
Pintar a memória
"Chegaram ao ponto de dizer que seria um documento histórico, porque daqui a alguns anos, com a pressão urbana, os locais em que vivem os flamingos terão desaparecido, e o quadro seria um dos testemunhos vivos da sua presença na zona dos esteiros e sapais da Moita."

Continuando a pintar um outro meu lugar...

As Tertúlias... disse...

Lindo, lindo... de paz e "quente" ao mesmo tempo! Sao as cores que me fascinam!

Luís Coelho disse...

Lindo este quadro. Não sei dizer outra coisa porque a beleza está presente e completa a mensagem.

O nosso mundo está a desaparecer e ninguem parece querer travar a situação.

Recebi hoje um email com as paisagens da linha do Tua onde teimosamente vão construir uma barragem roubando-nos a beleza e a história daquelas paragens.

É vergonhoso o que se faz neste país com tanta arrogância não respeitando nada nem ninguem.

flor de jasmim disse...

Caro A.Tapimhas
É muito bonito este seu quadro, todas estas cores dão-lhe uma beleza extraordinária. Esta é uma obra de arte que poderá vir a ser histórica tal como A.Tapinhas refere quando diz que os locais onde vivem os Flamingos poderão desaparecer. Isso entristece-me. Infelizmente apercebemos de dia para dia destas coisas, tal como refere o nosso amigo Luis coelho.
Beijo

Anne M. Moor disse...

António

Para mim, o que o eternizará é o sentido de liberdade que os flamingos prestam à cena pintada brilhantemente! Que quadro bem lindo! Ser livre é m ofício solitário e lá estão as aves voando solitariamente pelo céu.

Parabéns meu amigão! Tua obra está cada vez melhor!

beijos em voo livre
Anne

A.Tapadinhas disse...

Jorge: Esta obra faz-me lembrar alguns dos quadros de Turner, pintor inglês, que recriava o mar e o céu com cores muito afogueadas.

Com a nossa idade, temos de seleccionar as lutas que queremos travar...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

folha seca: Não é fácil compatibilizar as palavras e a obra. Algumas vezes, o espaço de tempo que medeia entre umas e outra, ainda dificultam mais essa relação.

Que os flamingos inspirem quem os contempla...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Rogério Pereira: O homem é fruto do tempo e do espaço em que é criado...

Nós temos em comum esses elementos...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

As Tertúlias: Pois é, Alexandre: é fascinado pelas cores quentes...

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Luís Coelho: Pelas mais diversos motivos, muitos dos quais não passam de desculpas esfarrapadas, está a degradar-se muito património natural, que recebemos dos nossos pais e não vamos ser capazes de transmitir aos nossos filhos...

A "crise" não justifica tudo...
:(
Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

flor de jasmim: Vamos ver quem irá vencer esta luta terrível entre os que pretendem a preservação do património e os que pretendem o lucro fácil e rápido...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Anne: Tu descobres sempre um sentido especial nas minhas obras!

Todos nós temos um sonho recorrente: voar!

...E a viagem de avião não conta!!!
:(
Beijo,
António

Anne M. Moor disse...

Não António rsrsrsrs. Tem de ser um voo livre. Quem sabe uma asa delta? Vamos?

beijos voejantes :-)
Anne

A.Tapadinhas disse...

Anne: Não há dúvida de que resulta: o beijo já chegou!
:)
António

Vinicius.C disse...

Sem duvida um lindo trabalho!

É como passear pela vida sentado em um banco, viajando em cada pincelada adorei mesmo!!

Um forte abraço e sucesso sempre!

Nos encontramos no Alma.

Flavio Ferrari disse...

A imagem dá a sensação de que os anjos estão chegando para resolver tudo, seja lá o que for ...
Teus quadros sempre tem um sentido especial, mesmo que você não tenha a intenção ... Coisa de artista.

Pena disse...

Fabuloso Amigo António:
Há o nosso parecer. O meu e o seu, mas há uma filha linda que sensibiliza, maravilha e encanta.
Olhe, um belíssimo quadro feito pelo seu génio extraordinário.
Texto e imagem: PERFEITOS!
Abraço amigo de esplendor e gratidão pela partilha admirável.
Sem palavras mais dada a beleza e pureza magistrais e de fascinar.
Com respeito e admiração constantes.

pena

É sensível e majestoso.
Perfeito em tudo o que concebe de forma sublime exímia de talento.
Parabéns sinceros.
É uma prestigiada honra a sua amizade.
Bem-Haja, enorme amigo.

Ava disse...

Querido, essa sua obra é daquela que é para parar, e simplesmente admirar.
Ao tentar falar, posso pecar pelo excesso ou pela falta, então é melhor o silêncio...rs

Flamejante!


BB

Maria disse...

Antonio,

Volto com as flores e encontro a terra em chamas. Assim voei com os flamingos, senti o Tejo, registro os sentidos.
Belissimo.

Abraços
Maria

Dóris disse...

Pássaros de Fogo, simplesmente extraordinário, estupendo.
Se os belos Flamingos algum dia ficarem em extinção, ao menos eles estarão imortalizados nesta belíssima obra de arte.
Tuas obras escritas e pintadas me encantam cada vez mais.
Parabéns mais do que especial.

Abraço cheio de PAZ.

A.Tapadinhas disse...

Vinicius.C: Gostei dessa imagem da vida!

Já agora, espero que viajando em classe de luxo!

Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Flavio Ferrari: Precisamos de um "bando" muito maior de anjos para resolver tantos problemas...
:)
Abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Pena: Agradeço as suas exaltantes palavras com uma grande bem-haja!

Sempre a considerá-lo.

Um abraço,
António

A.Tapadinhas disse...

Ava: Costuma dizer-se que o silêncio é de ouro.

Neste caso, o silêncio tem as cores exaltantes do fogo do flamingo!

BB
António

A.Tapadinhas disse...

Maria: Encontra a terra em chamas, mas com um fogo que arde sem se ver...

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Dóris: Os flamingos são uma espécie resistente...

Esperemos que o seu fogo nos aqueça nos séculos vindouros...

Beijo,
António

Graça Pereira disse...

Querido Amigo
Não me admira que fosse o primeiro quadro a ser adquirido!
Ao primeiro olhar pareceu-me a luz de um pôr do sol "banhando tudo" e só por isto eu achava-o maravilhoso.
O texto veio dizer-me a verdadeira razão daquele vermelhão e entendi o "fogo" da tua tela!
Os flamingos têm uma certa misticidade que conseguiste captar desse modo estrondoso, na sua côr!
Parabens!Parebens!
Beijo
Graça

Nilredloh disse...

Este quadro maravilhoso lembra-me uma aldeia em chamas a ser atacada por aviões (os Flamingos)! Espectacular.

Um abraço,

com toda a amizade,

Jorge

A.Tapadinhas disse...

Graça Pereira: Sempre fico espantado e feliz quando alguém me compra uma obra! Nem sei qual destes sentimentos é o maior!

De igual maneira me agradam as tuas palavras! Obrigado!

Beijo,
António

A.Tapadinhas disse...

Nilredloh: Uma espécie de Guernica, sem bombas nem mortos...

Era um passo positivo, substituir os aviões por flamingos!

Abraço,
António

nacasadorau disse...

Amigo António!

Mesmo antes de ler o texto já eu estava apaixonada pela soberba obra.
Com a explicação entendo ainda melhor o porquê desta atracção que afinal foi sentida por tanta gente.

Adoro os tons quentes, e este fogo aquece qualquer mortal.

Parabéns.
Beijinho

A.Tapadinhas disse...

Ná: Este fogo, que arde sem se ver, é um conforto para todos os que são capazes de o adivinhar...

É "só" uma questão de sensibilidade!

Bem-haja!

Beijo,
António